De quanto em quanto tempo devo fazer a manutenção da minha moto off road?

De quanto em quanto tempo devo fazer a manutenção da minha moto off road?

Este artigo é pra você que curte se embrenhar na terra com sua moto off road. O motocross é, sem dúvida, um dos esportes radicais mais praticados e amados no Brasil e vem conquistando cada vez mais adeptos, inclusive nas pequenas e médias cidades do interior.

Mas uma dúvida muito comum entre os praticantes de esportes com moto off road é sobre a manutenção das máquinas. Tanto os estreantes como alguns veteranos tem alguns pontos de interrogação quando o assunto é cuidar de suas motocas. Por isso, vamos dar algumas dicas muito legais sobre o a periodicidade e sobre o que fazer nas manutenções da sua moto off road.

O bom e velho manual

Pra início de conversa, vale um conselho essencial para quem tem um veículo, seja um carro, uma moto esportiva ou, também, uma moto off road: leia o Manual do Proprietário. Leia antes de ligá-la pela primeira vez. Leia antes de calibrar os pneus e antes de encher o tanque.

O Manual do Proprietário não é um mero enfeite. Ao contrário, é o livro mais importante para quem quer que o seu bem tenha uma longa durabilidade, com qualidade e segurança. Lá estão informações extremamente importantes, desde a configuração das peças até como conduzir com segurança o seu veículo.

Para as motos off road, alguns manuais são ainda mais importantes, porque trazem conteúdos sobre como personalizar a moto de acordo com o esporte, sem perder a performance e a durabilidade do equipamento.

Em outras palavras, ler o Manual do Proprietário é o primeiro passo para você ser realmente o dono da sua moto off road, capacitado para pilotá-la, mantê-la e conservá-la dentro dos melhores padrões de segurança e qualidade. Por isso, tenha sempre fácil acesso ao livreto. De preferência, deixe-o sempre na sua mochila, levando-o sempre nas suas aventuras.

De quanto em quanto tempo devo fazer a manutenção da minha moto off road?

Peças de moto off road que precisam de manutenção

Uma das dúvidas mais comuns entre os praticantes de esportes fora-de-estrada é se a moto off road tem mais componentes que precisam de manutenção periódica do que uma moto urbana. E a resposta é: depende. Depende de vários fatores, como frequência de uso, quilometragem, local onde ela fica guardada e por aí vai.

Não é porque a moto off road circula na terra ou nas pedras que ela vai ter um número maior de componentes para serem verificados. Por outro lado, se a sua moto só é utilizada uma ou duas vezes por mês e fica estacionada numa garagem descoberta, há uma grande chance de ela ter que passar mais vezes na oficina.

O que deve ser observado, junto com o Manual, é um conjunto de fatores, que inclui a frequência de uso, a extensão das viagens, a severidade do uso e a forma como ela fica guardada. Como toda máquina, a moto off road também é feita para andar. Ficar parada não é um bom negócio.

Percursos muito curtos também não são bons para a conservação da moto, porque não permitem que o motor atinja a temperatura ideal e nem a lubrificação completa de todas as engrenagens e partes mecânicas.

O estilo de pilotagem também influencia na quantidade de peças que precisarão de manutenção. Se você é um piloto que força muito a mesma marcha ou se joga a moto pra cima dos obstáculos, por exemplo, tem mais probabilidade de encurtar o tempo de vida útil da transmissão e dos amortecedores.

Por fim, uma garagem coberta, fechada e livre de umidade é o sonho de qualquer moto. Estas são as condições ideais para se guardar o equipamento. Mas nem todo mundo tem um espaço assim. Quem mora em grandes condomínios, por muitas vezes tem disponível apenas vagas ao ar livre, sem nenhuma cobertura.

Neste caso, com a falta de proteção contra as intempéries é uma grande causadora de problemas nas partes plásticas, emborrachadas e articulações das motos, inclusive a moto off road, que tem, normalmente, mais partes plásticas do que uma urbana.

De quanto em quanto tempo devo fazer a manutenção da minha moto off road?

Manutenção preventiva

Quando falamos em manutenção preventiva, muita gente pensa somente na revisão, aquela de fim de ano antes da viagem de férias com a família. Pois este conceito precisa ser revisto. E no caso da moto off road, ele sequer tem validade.

É preciso entender que a manutenção preventiva engloba todo bom hábito de conservação do equipamento, mesmo em casa ou momentos antes de colocar as rodas na pista de motocross. Observar a calibragem dos pneus, o engraxe da corrente e a validade do lubrificante são exemplos de manutenção preventiva.

Mesmo na sua garagem, você pode observar alguns componentes e realizar uma parte da manutenção preventiva da sua moto off road. Saiba quais são:

  • Pneus e rodas: engana-se quem acha que as rodas não precisam de verificação. Ainda mais em uma moto off road, que vive entre pedras e buracos. Observe semanalmente se há algum vazamento de ar, trinca ou empenamento da roda. Já os pneus, observe se não há rachaduras ou esfarelamento da borracha e, claro, mantenha-os sempre calibrados, mesmo que  não vá sair com a sua moto nos próximos dias.
  • Cabos e comandos: a sujeira que gruda nos cabos e nas correntes é a principal causa de rompimentos e de desgastes destes componentes. Por isso, faça sempre a limpeza completa, utilizando os produtos adequados para a sua moto e para os cabos, correntes e comandos próprios dela.
  • conjunto luminoso: as luzes também tem vida útil. No caso da moto off road, que não tem farol, a luz de freio também precisa de verificação constante. Veja se há sintomas, como luz enfraquecida, piscando indevidamente ou sujeira dentro da capa.
  • Corrente: a falta de manutenção pode ocasionar diversos problemas com a corrente da moto off road. Uma corrente mal limpa ou sem o engraxe correto, ou por falta ou por excesso, pode causar a chamada quebra por estresse. É quando os elos não suportam as vibrações e o aquecimento e se partem. Por isso, faça a limpeza correta e constante da corrente e utilize um elemento engraxante adequado e na proporção indicada para a sua moto.
  • Carenagem: no caso das motos fora-de-estrada, a carenagem é muito importante, pois além de proteger as partes mais sensíveis do motor, ela garante a aerodinâmica necessária para uma pilotagem confortável e segura. Limpe e verifique constantemente se as partes da carenagem estão bem presas, acomodadas corretamente sobre o chassi.

Revisão de moto off road: de quanto em quanto tempo fazer?

Não existe uma receita de bolo única para as revisões. Na verdade, cada montadora tem um período recomendado para seu equipamento. Por isso, mais uma vez, quem dá a palavra final é o Manual do Proprietário.

Mas é senso comum entre mecânicos especializados que uma moto zero deve ter a sua primeira revisão na marca dos dois mil quilômetros rodados. Novamente, isso pode variar de acordo com a marca, mas em geral é uma média utilizada pela maioria das motos, mesmo as fora-de-estrada.

Para aquelas que já tem mais tempo de pista, o hábito é de se realizar novas revisões a cada seis ou sete mil quilômetros. Vale a pena perguntar ao mecânico especializado na sua moto se esta é uma média segura ou muito precoce para o seu equipamento.

Em todo caso, não economize nas revisões. Se houver a necessidade de substituir alguma peça ou componente, faça-o sem pestanejar. E no caso da primeira revisão da sua moto off road, lembre-se de trocar óleo e filtro. Não deixe de trocar o filtro, mesmo que ele ainda esteja com uma vida útil pela frente, pois ele pode acabar contaminando o óleo novinho que você acabou de colocar na sua motoca.

Aproveite para regular os cabos de freio e embreagem, que normalmente se alongam com o passar do tempo e a utilização fora do ambiente urbano. Motos que tem recursos eletrônicos também devem ter suas configurações observadas e testadas nas revisões. Em geral, as oficinas dispõem de equipamentos e softwares específicos para cada sistema, de cada marca.

De quanto em quanto tempo devo fazer a manutenção da minha moto off road?

Bateria precisa de manutenção?

As baterias de motos tem uma durabilidade média de três anos. E existem muitas dicas erradas de como prolongar a vida delas. Há quem mande dar uma ligadinha na moto todo dia, por cinco minutos, ali mesmo, na garagem de casa. E também tem aqueles que mandam dar duas voltinhas no quarteirão a cada dois dias. E tem, ainda, quem manda dar o famoso “susto”, uma carga rápida e alta na bateria, quando ela já está minguando.

Nada disso funciona. Nada mesmo. Ligar a moto por alguns minutos na sua casa só fará você queimar combustível. Isso vale tanto para as motos urbanas, como para a moto off road. O correto é realmente andar com a sua moto, num percurso de pelo menos cinco ou seis quilômetros, para que o motor gere força e energia suficiente para recarregar a bateria.

Dar uma voltinha no quarteirão cai na mesma regra: não há tempo suficiente para gerar tração, torque e, consequentemente, energia para a bateria. Se você costuma deixar a moto em casa por mais de dois dias seguidos, opte por utilizar um carregador de baixa potência ligado constantemente à bateria.

Isso requer uma tomada próximo à sua moto e também acesso fácil aos polos da bateria, o que nem sempre é possível. Na pior das hipóteses, tem gente que simplesmente desliga o positivo da bateria, o que não vai recarregá-la, mas também trará uma perda menor ao longo do tempo.

Na outra ponta, os hábitos que formam uma manutenção preventiva para a bateria são:

  1. observar a amperagem: muitas vezes, o motoqueiro esquece de trocar a bateria quando personaliza a moto e inclui acessórios e equipamentos, especialmente elétricos ou eletrônicos. É fundamental ter uma bateria com amperagem compatível com a quantidade de recursos que a sua moto tem. Se ela for mais fraca do que o indicado, certamente durará muito menos.
  2. não tentar pegar a moto no tranco: hábito comum em carros e igualmente nocivo para motos. Pegar no tranco é a pior ideia que você pode ter. Principalmente se sua moto off road for dotada de sistemas eletrônicos. Além de forçar uma inicialização abrupta de todos os componentes da moto, pegar no tranco pode corromper a programação dos sistemas eletrônico e até causar um curto-circuito.
  3. não desligar e ligar a moto num curto espaço de tempo: o máximo de energia que se precisa da bateria é no arranque, logo que ligamos a moto. Por isso, se for fazer pausas muito curtas, é melhor mantê-la funcionando. Desligar e ligar muito rapidamente diminuirá a vida útil da bateria.
  4. Mantenha os cabos e contatos limpos: os cabos e os contatos metálicos da bateria são facilmente corroídos pela oxidação. Para evitar este problema, é importante mantê-los sempre limpos. Nas motos em que a bateria fica protegida em compartimentos ou sob protetores específicos, essa oxidação tende a ser menor ou não ocorrer.

Se a sua moto não estiver pegando, o recomendado é não forçar a barra. Leve para a oficina especializada e faça um diagnóstico correto. Na Balasso, por exemplo, o time de profissionais é treinado para identificar os sintomas e indicar a ação correta. Além disso, a loja possui toda a tecnologia necessária para fazer os testes indicados. O diagnóstico é certeiro, sem achismos.

Líquidos tem validade

Muita gente acha, também, que a troca de óleo e de fluido de freios só deve ocorrer quando a quilometragem indicada chegar e, se a moto fica mais tempo parada do que andando, esse tempo vai demorar mais. No entanto, esse é um erro que pode comprometer o funcionamento de toda a mecânica da sua moto off road.

Todos os líquidos utilizados na sua moto tem validade, que é diferente da vida útil. A vida útil é o máximo que se consegue obter de performance, seja de um componente, uma peça ou de um fluido. Já a validade é o prazo máximo de utilização com qualidade e segurança.

Óleo velho, mesmo que não tenha atingido a quilometragem de rodagem, estraga. Se a sua moto não anda muito, certamente ele ficará depositado no fundo do reservatório de óleo e formará uma borra, semelhante a um mingau. A viscosidade ficará muito acima da recomendada e ele não será capaz de lubrificar nenhuma peça.

Além de entupir o filtro, as mangueiras e os conduítes, o óleo velho esquenta mais e não retira o atrito das peças metálicas, o que pode causar até a fundição do motor.

O mesmo ocorre com o fluido de freios. A validade é a sua garantia de que ele funcionará. Se ele ultrapassou essa data, mesmo que não tenha andado muito, ele pode sofrer mudanças físicas e causar desde a falta de freio até o bloqueio instantâneo das rodas, ao acionar a manete.

Conclusão

Manutenção preventiva não é brincadeira. Sua moto off road merece e precisa do seu cuidado. Lembre-se de ter o Manual do Proprietário sempre ao alcance das mãos e tenha, também, uma oficina de confiança.

A cidades da região centro-oeste mineiras podem contar com a Balasso, uma loja que é especialista no mundo off road. Dirigida por quem pilota há mais de vinte anos e também é engenheiro mecânico, a Balasso se tornou porto seguro para atletas profissionais e amantes dos esportes off road. Saiba mais sobre a Balasso clicando aqui.

Cuide bem da sua máquina, seja preventivo e proativo. Aproveite a liberdade que só uma moto off road pode oferecer! Até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *