Regras off road hard enduro tudo que você precisa saber para praticar o esporte

Regras off road hard enduro: tudo que você precisa saber para praticar o esporte

Dentro do mundo do off-road, o Hard Enduro tem se mostrado uma das modalidades que mais atrai os apaixonados por trilhas, e por isso tem crescido em todo o planeta!

O berço desta prática nasceu na Europa Central. Muitos apontam a Romênia como o solo sagrado onde tudo teria começado. No entanto, o Hard Enduro já é bem expressivo em países como Áustria, Itália, Reino Unido, Portugal e também no Brasil!

O território brasileiro é um campo fértil para os apaixonados pelas trilhas que acabam descobrindo a modalidade. Muito disso se deve aos mais variados tipos de terreno que existem no país, tanto, que o Brasil tem sido o local perfeito para sediar competições de expressão nacional e internacional! Outro fator que estimula o crescimento do Hard Enduro é o seu acesso popular: amadores que gostam de andar em trilhas prazerosas nos fins de semana acabam se interessando pela modalidade pela relação do esporte com a natureza, e por não ser uma competição de velocidade e sim de técnica e preparo físico-psicológico.

Um pouco de história

O Hard Enduro começou a abrir fronteiras com o surgimento de uma lendária corrida em 2004, quando Martin Freinademetz e sua esposa Sigi deram o pontapé para uma evolução do extreme-enduro: A etapa Red Bull Romaniacs que acabou se tornando um dos principais catalisadores por trás do Hard Enduro e que agora é amplamente popular e alimenta as indústrias associadas de esportes a motor.

O capítulo brasileiro começa com o Red Bull Minas Riders

O capítulo brasileiro começa com o Red Bull Minas Riders

Em dois anos seguidos, 2016 e 2017, o Brasil recebeu duas etapas do circuito mundial da modalidade. Batizada de Red Bull Minas Riders, a corrida foi um marco para o esporte no país pelo nível de organização e pelo conhecimento que trouxe para os apaixonados da modalidade. A corrida além de trazer pilotos profissionais nacionais e internacionais, contou com competidores amadores.

As duas etapas de certa maneira foram fundamentais para dar experiência para uma geração de atletas brasileiros apaixonados pelo off road que viriam a construir o primeiro Grand Slam nacional de hard enduro.

Um esporte que faz o balanço perfeito entre a técnica, o físico e a máquina

Entre as modalidades de off-road para amantes do motociclismo, o Hard Enduro é provavelmente a prática que oferece menos riscos. Não se trata de velocidade, e sim de capacidade técnica para:

  • superar pedras, morros e trilhas
  • ganhar tração em diversos tipos de solo que envolvem cascalho, pedregulho, água, lama e areia.
  • Manter o equilíbrio em declives e terrenos estreitos

A relação com a moto é importante, mas os pilotos mais experientes chegam afirmar que a qualidade do equipamento representa algo entre 30% e 40% para um bom desempenho. É importante frisar, que as motos voltadas para o Hard Enduro não podem ter um torque muito alto, pois isso dificulta seu controle. As 2T (dois tempos) são as favoritas da maior parte dos praticantes pela velocidade de resposta e pelo dinamismo para mudanças de direção.

A questão física no Hard Enduro é chave para quem deseja se envolver com o esporte de maneira mais séria. As corridas de pilotos de elite podem chegar a ter até 70 kms de trilhas com os mais variados desafios. Os amadores podem fazer um processo de adaptação, buscando corridas e etapas em categorias de acesso ao esporte. O campeonato brasileiro por exemplo tem duas opções para quem está iniciando nesse mundo: As categorias Iron e Turismo. Ambas tem um percurso de introdução ao universo do Hard, com uma quilometragem bem inferior e um tempo de prova estimado em uma hora. No entanto é bom se preparar! Está modalidade exige:

  • Resistência física para aguentar mudanças de ângulo e o peso da moto
  • Força mental, afinal muitas vezes o atleta pode possuir a preparação física mas a determinação será importante para desenvolver a técnica e ganhar experiência.

Se pudéssemos sintetizar o estilo de pilotagem do Hard Enduro, poderíamos afirmar que a modalidade é uma mistura do Trial com o Motocross. Controle, potência, preparação física e preparação psicológica são os elementos presentes nos pilotos profissionais.

Equipamento de segurança

A prática do Hard Enduro não oferece os mesmos riscos de provas de velocidade no off-road, como por exemplo o enduro. No entanto, quedas e tropeços que podem provocar machucados, torções e até fraturas podem acontecer. Por essa razão o equipamento é obrigatório para a prática da modalidade. Entre os itens essenciais de segurança estão:

  • Capacete;
  • Bota;
  • Cotoveleira;
  • Luvas;
  • Colete de proteção para o peito e costas;
  • Mochila de hidratação (importante para as trilhas de longa distância).

Um esporte que exige talento para navegação

Um esporte que exige talento para navegação

Em uma prova de Hard Enduro o piloto está em meio a uma trilha com marcações de ‘bandeira’, os chamados “bumps”. Estes indicam o trajeto que o competidor deve seguir. Em uma corrida por padrão se adota duas cores de bandeiras: uma para indicar o caminho e outra para reforçar para o competidor que ele está na rota errada.

Além disso, em uma etapa oficial, seguindo as regras da CBM (Confederação Brasileira de Motos), o piloto terá que descobrir sua trilha seguindo as placas de orientação de sua categoria. Atualmente as provas oficiais possuem seis categorias: Turismo, Iron, Nacional, Bronze, Silver e Gold.

  • Turismo é dedicada aos pilotos amadores que querem passear por uma trilha suave de Hard sem qualquer pretensão de competir.
  • Iron corre praticamente na mesma categoria da Turismo, no entanto existe o fator competição.
  • Nacional é uma categoria um pouco mais difícil, mas que deve ser disputada com apenas motos fabricadas no Brasil.
  • Bronze oferece o mesmo nível de dificuldade da Nacional, mas aceita motos importadas
  • Silver é uma categoria intermediária entre o amador e a elite
  • Gold é a categoria de elite (recomendada apenas para atletas com experiência no circuito)

Na corrida, um piloto Iron segue as placas da “Iron”. Se por acaso ele errar a navegação, isso pode comprometer sua prova pois existem pontos de checagem. Os chamados “check points”. Ao perder um destes pontos o competidor pode sofrer penalidade de tempo ou alguma outra punição dependendo do regulamento de prova.

GPS para navegação

Um item muito útil e permitido para os pilotos é o GPS de navegação. Este item é recomendado para os atletas que buscam maior consistência de desempenho na navegação. Não é raro que pilotos experientes percam checkpoints por erros de navegação, por isso o GPS acaba sendo um recurso importante.

Um esporte que tem muita amizade

Apesar do Hard Enduro ser um esporte individual, ele acaba exigindo dos pilotos humildade e parceria em muitas situações de uma corrida. É comum que adversários se ajudem ‘puxando’ um ao outro em obstáculos mais complicados, ou se ajudem em momentos em que as forças físicas parecem esgotadas. Esse trabalho em parceria dá ao esporte um espírito coletivo e um senso de comunidade que não é muito comum em outras modalidades de corrida. Um piloto de Hard precisa alimentar boas amizades dentro do circuito pois serão inúmeras as situações onde um puxão, ou uma mão ajudando, farão diferença para o seu resultado.

Como encontrar uma oportunidade para competir?

Procure na sua região grupos que realizam trilhas, esta pode ser uma porta inicial para você descobrir um pouco dessa experiência. Importante reforçar que o Hard Enduro não se trata de velocidade, e sim de controle e resistência!Para quem busca uma experiência de competição a recomendação é o circuito do HEBS (Hard Enduro Brasil Series). O Grand Slam é o campeonato brasileiro da modalidade, e tem atualmente 5 etapas! Para mais informações acesse: hebs.com.br

Christian Camilo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *